Psicanálise e Zen Budismo

Por Alê Esclapes1

O trabalho desenvolvido por Bion pode ser dividido em três ou quatro fazes, variando de acordo com o estudioso. Em uma primeira fase Bion vai de debruçar sobre as questões kleinianas de identificação projetiva e o pensamento esquizofrênico.

Administrador
Leia mais
As perversas chuvas de verão

Por Ale Esclapes1

Donald Meltzer definiu de uma forma muito particular a perversão na psicanálise, e John Steiner seguindo seus passos fez uma excelente contribuição à psicanálise ao se inspirar em Bion. Esses três autores nos legaram uma nova interpretação do mito de Édipo – este mito seria menos sobre desejos que sobre verdades.

Administrador
Leia mais
Um olhar para a violência presente na sociedade

Por Pe. Ernani Maia dos Reis¹ 

Algumas palestras tiveram, como pano de fundo, um dos acontecimentos mais perversos da história humana: o holocausto dos judeus representado em Auschwitz. Ora, “a violência como sintoma da contemporaneidade” está evidente nesse massacre, pondo fim ao sonho de que, em tempos de tantos progressos, a ciência poderia elevar o patamar moral e ético da humanidade.

Administrador
Leia mais
EPP no Jornal da Cidade - Bauru

Por Cinthia Milanez

I Encontro Regional em Bauru/SP 14/05/16. 
A EPP e o ISF promoveram o I Encontro Regional na cidade de Bauru/SP "A clínica psicanalítica na atualidade".
Neste evento foram apresentados trabalhos, supervisões públicas, conferências entre outras atividades.
Leia matéria completa abaixo...

Administrador
Leia mais
A vida de um ansioso

Por Mariana Staudt1

Nervosismo, expectativas, preocupações. Quem sofre de ansiedade não leva uma vida fácil. Os dias e as horas demoram a passar e, às vezes, seguem um ritmo diferente das outras pessoas. Apesar de ele mesmo não ser, seja paciente com o ansioso! 
Não julgu­e um ansioso. Ele não faz por mal. E garanto: ele gostaria de viver a vida de acordo com o relógio que as outras pessoas vivem.

Administrador
Leia mais
Do Eu ao Édipo

Por Sérgio Rossoni1

O conceito mais básico de objeto é de representação de coisas – Consiste num investimento, se não de imagens mnésicas mas afastadas, derivados dela. Deriva da coisa essencialmente visual, percebida pelo inconsciente. (Laplanche e Pontalis – Dicionário da Psicanálise). A representação de coisas pode ser exemplificada como um ator, enquanto a phantasia uma peça de teatro. Como mecanismo de defesa, a cisão vem separar objetos bons e maus.

Administrador
Leia mais
Saia Justa

Por Alê Esclapes1

Recentemente no Programa Saia Justa do canal GNT discutia-se sobre o papel do homem e da mulher modernos (aliás, parece que em todos os programas o tema é o mesmo). Nesse especificamente as mulheres reclamavam que os homens deveriam ajudar mais as mulheres, “dividir” o fardo, etc... O jornalista Xico Sá se colocou de forma muito simpática, mas no final disse – “Não me venham com essa conta que não pago!”. Isso me faz lembrar da relação entre ética, responsabilidade e significante.

Administrador
Leia mais
Considerações sobre a teoria dos sonhos

Por Janete Vilella1

A Psicanálise é um termo que serve para se referir a uma teoria, a um método de investigação e a uma prática profissional (clínica). No desenvolvimento da Psicanálise, Freud produziu tudo isso ao mesmo tempo. Porem, ela é, antes de tudo, um método, um instrumento de pesquisa, sendo que a obra mais importante e decisiva na sua historia, é a “Interpretação de Sonhos”, exatamente por estar voltada para o estudo de problemas clínicos.

Administrador
Leia mais
Longe da árvore-Andrew Salomon

Por Ale Esclapes¹

Freud nos ensina que o amor paterno/materno é baseado no que ele chamou de “forma narcisista de amar” o que significa que os pais amam os seus filhos a partir do que eles são, foram ou gostariam de ser. Em outras palavras é um amor egoísta, sendo uma visão bem menos romântica que o conceito de
"Família Doriana".

Administrador
Leia mais